Tuesday, October 31, 2006

Amigos... amigas...

Quem deve receber a honra de ser chamado de amigo? Sim, ter um amigo não é para qualquer um. Ser amigo não é tão simples e requer um coração aberto, uma sinceridade que pode até ser lacerante, mas também uma sensibilidade tal que conhece quando o coração do amigo está em condições de cicatrizar após o arranhão que nele demos e quando esta cicatriz até fará bem a ele, embora ele não precise jamais reconhecer isso.

É estranho pensar em minha amizade com Caty. Vem do tempo em que éramos adolescentes. Mas mesmo a distância física não apagou a amizade. Ainda confidenciávamos... ainda sabiamos coisas uma da outra que poucos, quem sabe ninguém chegou saber.

Na mesma semana em que Caty se foi houve um almoço com colegas de trabalho. O lugar era lindo, o Museu da Casa Brasileira, e a comida saborosa. Estávamos comemorando o aniversário de Lúcia, minhá xará e a quem venho me sentindo cada vez mais próxima. Uma nova amizade que vem sendo construída aos pouquinhos.

Mas, durante o almoço senti um gosto amargo ao ver entre os convivas uma pessoa que há alguns anos julgava que poderia chegar a ser minha amiga.. quem sabe até pensei que era minha amiga... mas que um dia conclui que lhe faltava sinceridade, que sobrava outros interesses, que sobrava ganância, que faltava generosidade e que faltava aquela mornidão que aquece o coração dos verdadeiros amigos. É muito triste ver a amizade morta... mas é mais triste ainda ver que a dona da amizade ainda viva morreu.

1 comment:

Biba Blandy said...

"É muito triste ver a amizade morta... mas é mais triste ainda ver que a dona da amizade ainda viva morreu." --> Bonito, babae.=)

Te amo. Fique bem!